Estou diariamente à tua espera


1960
João Rui de Sousa
Estou diariamente à tua espera
Como quem espera um astro pela noite.

Defino-te em segredo.
Revejo-te na memória.
Desenho a tua fronte nas estrelas

Invento-te.
Construo a tua boca sem palavras.
Construo este silêncio em que me prendo.

2 comentários:

Aluna disse...

Eu também...
muito linda!

paula disse...

não se prenda, solte-se. senão é como uma teia de aranha em que, qual insecto, cai e dificilmente se solta.
bonito e sentido poema