Nem pelas caves de cimento espesso


De Vasco Costa Marques
Nem pelas caves de cimento espesso
acasalam os ratos.
Os olhos radiografam as paredes
até mesmo ao esqueleto do amor.

1 comentário:

Tainha disse...

Forte esse poema, como o fogo.
Bons dias