Das tuas quatro estações

De Vasco Costa Marques
Das tuas quatro estações
fiz o mar e fiz um porto:
tens o acre dos limões
e todo o mel no teu corpo.

Dispersam-me os teus cabelos,
nos teus braços me prolongo,
ardo e em pura chama alongo-me
aos teus encontros mais belos.

Percorro-te a meu prazer,
nas tuas águas me lavo,
foi-se o tempo quer-não quer
de vivermos separados.

Não tem o dia a medida
das montanhas do mistério:
vens e vais, sou percorrida
estrada do teu império.

1 comentário:

heretico disse...

cristalina. como água pura.

assim a Poesia.

abraço