E tu reapareces a rir com a cabeleira bêbeda


"Vocação animal"
1971
Herberto Helder


E tu reapareces a rir com a cabeleira bêbeda, o ar é uma árvore onde a a estação treme com as folhas depressa, o assunto das colinas torna-se tenebroso e azul, reapareces do fundo radioactivo da ausência, boa-noite, fecho os olhos a essa coisa como entendido pavor, amo esta espécie de algum movimento contra a luz fixa, noite poeira de tabaco e agora o louvor da tua ressurreição, e a primavera é um choque no angélico barro adormecido, e os animais entram no espaço que te segue por toda a parte, e eu desejo regenerar a solidão e o sono, das negras dunas de seus corpos sobem estrelas operárias ferozmente embriagadas, e de novo cerro os olhos com ironia mortal e lentidão humana, eu digo: ela é uma paisagem repentina que se exerce — e agora a paciência devasta a minha vida respiratória como um símbolo, o coração tem sono leve, tu és doce num esquecimento inclinado para trás, boa-noite, e digo: o ar é magnético— tu ris para provar que somos eternos, mas eu sei que a idade se fez milagrosa, e estamos numa imagem voltada perigosamente para o terror e a paixão — a alegria como um princípio teatral, dizes tu, e os animais passam com a flor das cabeças dobrada num perfume forte — as raízes dos cometas cravam as unhas no ar, e tu reapareces.

1 comentário:

Rute disse...

ó.

...palavras do Herberto Helder,
recebemo-las, sempre, com um sorriso largo.