Sincera como as crianças

De Vasco Costa Marques
Sincera como as crianças
falas com o corpo todo.
Ainda quando descansas
há peixes vivos no lodo.

Recebem-me as tuas pernas,
durmo encostado ao teu braço,
tuas rudes frases ternas
lavam o rumo que faço.

Se neste Inverno me alargo
pelos caminhos adversos,
és tu o café amargo
que aquece o peito aos meus versos.

O teu sorriso perfeito,
mais leve que um voo de ave,
é o leito em que me deito,
suave, suave, suave, suave.

Sem comentários: